domingo, 28 de setembro de 2008

Fluxograma para sábado à noite

- Clique na imagem para ampliá-la –
Considero de suma importância informar aos senhores gerentes de plantão que se se tomar algum atalho errado neste fluxograma pode dar zebra desgraçada. Informo ainda que tal fluxograma pode ser igualmente orientativo para os outros dias da semana e não apenasmente para o período noturno. Essa última informação é extremamente relevante para aqueles que trabalham à noite.
Fonte: Rafinha
- I bibida prus músicus!

3 comentários:

CONCEIÇÃO DUARTE disse...

Norival, gostei muito do seu imenso blog e muito útil , tem de tudo para todos nós. Estou procurando letras de música de antigamente, com certo tempero malicioso, não exatamente pornográfica, mas do tipo, "ai ai ai que tempinho bom, ela sempre na janela, ele na esquina, cigarrinho aceso sobre o lampeão..." Somos quase da mesma geração e me divirti com suas coisas. Me ajude se souber, ou puder, foi procurando por ela , que encontrei seu blog, que por sinal tem ferramentas que nem imagino como usá-las no meu.. Será que todos tem a mesma ferramenta?? Nossa para primiero contato, ja estou amolando vc.. hehe bjus, visite o meu blog, bj CON

Norival R. Duarte disse...

Testanto conexão.

Norival R. Duarte disse...

Cara Conceição:

Creio que você poderá aumentar significativamente o repertório dessas músicas de antigamente (?) dentro de um ritmo chamado de calango, que continua sendo uma manifestação muito da viva de nosso povo. Veja o exemplo de repentistas nordestinos, quando dois cantadores-violeiros lançam desafios um para o outro. É um manancial inesgotável de trovas humorísticas, segundo o meu ponto de vista. Ou ponto de ouvido!

Lembro-me de que, quando criança, brincávamos, eu e meus colegas, fazendo algo semelhante com algumas quadrinhas que conhecíamos, como:

Capim de pranta,
Mororó cebola branca,
Eu não caio na travanca,
Mano vamu numerá.

Aí, o outro colega respondia:

O maquinista
Bota a cabeça de fora,
Tá fartano meia hora
Pra chegá no Paraná.

E seguíamos assim, cada cantador cantando uma trova:

Sa mariquinha
Lá da banda da Serrinha
Nunca viu piça de galo
Na buceta da galinha. (Com os meus pedidos de desculpa, tá?)

Era eu e meu irmão,
Era dois num corpo só,
Nóis quebrava qualquer gaio,
Desatava qualquer nó.

Lembro-me apenas dessas, mas me recordo que comprava livrinhos semelhantes àqueles de cordel onde havia centenas delas. Hoje, se você acessar o Google em “letras de calango”, ser-lhe-ão apresentadas 52.800 páginas pertinentes ao assunto.

Quanto às ferramentas existentes no meu blog você também pode tê-las, já que o nosso provedor – blogspot – é o mesmo. Basta que você faça o login para entrar no seu blog e clicar em layout. Todas as opções (ferramentas) estão disponíveis na página que se abre.

Obrigado pela visita ao meu blog, obrigado pelos elogios e volte sempre!

Abraços, Norival.