quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Chateau Mouton Rothschild

Consta, que certa noite, muitos anos atrás, um homem entrou com a namorada no restaurante Lucas Carton, em Paris, e pediu uma garrafa de Mouton Rothschild, safra de 1928.

O sommelier, em vez de trazer a garrafa, para mostrar ao cliente, traz o decanter de cristal cheio de vinho e, depois de uma mesura, serve um pouco no cálice para o cliente provar. O cliente, lentamente, leva o cálice ao nariz para sentir os aromas, fecha os olhos e cheira o vinho.

Inesperadamente, franze a testa e com expressão muito irritada pousa o copo na mesa, comentando ríspidamente:

-Isso aqui não é um Mouton de 1928!

O sommelier assegura-lhe que é. O cliente insiste que não é! Estabelece-se uma discussão e, rápidamente, cerca de 20 pessoas rodeiam a mesa, incluindo o chef de cuisine e o gerente do hotel que tentam convencer o intransigente consumidor de que o vinho é mesmo um Mouton de 1928.

De repente, alguém resolve perguntar-lhe como sabe, com tanta certeza, que aquele vinho não é um Mouton de 1928.

- O meu nome é Phillippe de Rothschild, diz o cliente, modestamente, e sou eu que faço o Mouton Rothschild!

Consternação geral.

O sommelier, então de cabeça baixa, dá um passo à frente, tosse, pigarreia, bagas de suor escorrem da testa e, por fim, admite que serviu na garrafa de decantação um Clerc Milon de 1928, mas explica seus motivos:

- Desculpe, mas não consegui suportar a idéia de servir a nossa última garrafa de Mouton 1928. De qualquer forma, a diferença é irrelevante. Afinal o senhor também é proprietário dos vinhedos de Clerc Milon, que ficam na mesma aldeia do Mouton. O solo é o mesmo, a vindima é feita na mesma época, a poda é a mesma, e o esmagamento das uvas se faz na mesma ocasião, o mosto resultante vai para barris absolutamente idênticos. Ambos os vinhos são engarrafados ao mesmo tempo. Pode-se afirmar que os vinhos são iguais, apenas com uma pequeníssima diferença geográfica.

Rothschild, então, com a discrição que sempre foi a sua marca, puxa o sommelier pelo braço e murmura-lhe ao ouvido:

- Quando voltar para casa esta noite, peça à sua namorada para se despir completamente. Escolha duas regiões muito próximas do corpo dela e faça um teste de olfato. Você perceberá a diferença que pode haver numa pequeníssima diferença geográfica!

- I bibida prus músicus!

- Esta piada também copiei do site do meu amigo Fernando Stickel. Não é uma pérola? Então, que tal deixar um comentário sobre ela? Vamos! Não hesite, não!

6 comentários:

NICE PINHEIRO disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk...muito boa Norival! Escolha perfeita! kkkkkkkkk...
bjs

Norival R. Duarte disse...

Nice!
Que bom que você gostou. Fico radiante e feliz por isso!
Abraços.

ery roberto disse...

Fabuloso, Norival! Para quem aprecia a arte dos vinhos é uma excelente história. Gostei, "COPYei", levei. Qualquer dia eu "PASTo". Abração.

Norival R. Duarte disse...

Boa, Ery!

Seus amigos da web vão gostar, tenho certeza, por trata-se de uma piada que considero bastante refinada. E ela também foi publicada em 20 pp no Site Oficial de Resende. Está indo muito bem, acelerando fora do padrão comum, segundo a minha visão!

Grande abraço e bom fim de semana.

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny

Norival R. Duarte disse...

Obrigado pela visita, Sr. Anônimo, porém fiquei a ver navios por não saber o que significa a palavra "intiresny ".

Grande abraço.