terça-feira, 11 de novembro de 2008

O enterro do pai da loira

Isso é maldade, não deem bola... Que maldaaaade!

- - - - - - - - - - - - - - - - - - -

O pai da loira morreu. A amiga da loira, Ana Paula, foi chamada para ajudar a cuidar dos preparativos.

- Pietra, seu pai não pode ser enterrado com esta roupa. Vá comprar um terno para ele.

- Amiga, eu não tenho dinheiro!

- Não tem importância. Eu pago.

E lá se foi a loira em busca de um terno para enterrar seu genitor.

Feito isto, após o enterro, ela procurou a amiga:

- Preciso de dinheiro para pagar o terno.

- Quanto é ?

- Duzentos reais.

Ela deu o dinheiro como prometeu.

Passou um mês e a loira a procurou novamente.

- Preciso de dinheiro para pagar o terno.

- Quanto é ?

- Duzentos reais.

Por ter prometido, a amiga não questionou e deu a grana. Mais um mês se foi e a loira voltou a procurar a amiga.

- Preciso de dinheiro para pagar o terno.

- Patrícia, em quantas prestações você comprou este terno?

- Heloooo, querida, nenhuma! É que o terno era muito caro, então, ao invés de comprar, eu aluguei...
.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- I bibida prus músicus!

2 comentários:

malmal disse...

isso é maldade ....
|||
|
|
|
|
|
|
|
|
||
mas é boa !!!!

Norival R. Duarte disse...

Bota maldade nisso, Malmal.